sábado, 25 de julho de 2015

Ana


Depois de Maria, o clássico dos clássicos, que ano após ano tem lugar reservado no top 10 português, que se pode ler de trás para a frente, curto e “cheio de graça”, hoje trago-vos: Ana. Pequeno mas com muito a dizer.

O pequeno grande Ana é um dos nomes mais difundidos em todo o Ocidente e vem quase sempre composto com outro nome. Poucas são as Ana que são Ana e Ana apenas. Dos registados em 2014, em Portugal, Ana precedeu inúmeros nomes de menina: Ana Carolina, Ana Margarida, Ana Clara, Ana Maria, Ana Luísa, Ana Filipa, Ana Leonor, Ana Catarina, Ana Júlia, Ana Matilde, Ana Marta, Ana João, Ana Rosa, Ana Mafalda, Ana Vitória, Ana Gabriela, Ana Pedro, Ana Lúcia, Ana Cristina, Ana Cláudia, Ana Jorge, Ana Isa, Ana Lívia, Ana Madalena, Ana Flor, Ana Rafaela, Ana Patrícia, Ana Cecília, Ana Luís, Ana Valentina, Ana Alice, Ana Íris, Anna Beatriz, Ana Camila, Ana Laura, Ana Fernanda, Ana Luz, Ana Manuel, Anna Sofia, Ana Guiomar, Ana Gabriel, Ana Heloísa, entre outros. Ao todo foram registadas 1120 Ana e 22 Anna no ano passado em Portugal.

Ana vem do hebraico Hannah a que se seguiu o latim Anna, e significa “graciosa” ou “cheia de graça”. Registos da utilização do nome Ana em Portugal encontram-se em documentos datados da primeira metade do século XVI. Em Inglaterra o nome surgiu pela primeira vez no início do século XIII, tornando-se popular apenas no início do século XVII, quando os ingleses o confundiram com uma variante de Agnes.
Tendo em conta o se significado, quanta graça teria uma Ana Graciosa?

Todavia, Ana está em muito mais que compostos, ele próprio compõe nomes. Ana é dito tantas vezes em tantos nomes que às vezes nem nos damos conta de como estas três letrinhas juntas são quase a base da onomástica ocidental (nada comprovado, hein! ).
Entre o Top 100 de 2014, Ana dá um pézinho a Mariana, Joana, Diana, Luana, Ariana, Juliana, Adriana, Tatiana, Caetana, Fabiana, Luciana e Liliana. A partir dos 35 registos, Ana dá uma mãozinha a Doriana, Cristiana, Liana, Eliana, Susana, Alana, Oriana, Giovana, Morgana, Viviana, Briana, Lana, Daniana, Geovana, Elana, Josiana, Iriana, Oceana, Bibiana, Silvana, Hanna, Emiliana, Jordana, Ticiana ou Rosana.

As variantes deste nome são também inúmeras: Anabel, Arabela, Anabella, Anita, AlfarI, Anituski Anaís, Anika, Aniuska, Anuska, Anulia, Hanna, Hannah, Aina, Anna, Anitín, Aniux, Ani, Annie, Ann, Anaily, Analía, Anne, Anaí, Ania, Anayancy, Annelies, Annette, Anicka, Nancy, Anagaby, Ali, Anizabet, Anate, entre outros.

Apesar de curtinho, Ana dá até para diminutivos: Anita, Anina, Aninha, Aninhas, Anocas, Anusca.

E também na Bíblia há mais do que uma Ana.
No Velho Testamento, Ana foi a mãe do profeta Samuel e ficou conhecida por ter engravidado em idade muito avançada.
No Novo Testamento, Ana é uma judia idosa que profetizou sobre Jesus, o Messias, no Templo de Jerusalém.
Proveniente de escritos apócrifos, existe a informação de que Miriam, “Senhora da Luz”, (em latim, Maria), mãe de Jesus era filha de Hannah (em latim, Anna) a quem muitos, ao longo dos tempos, prestaram devoção como Santa Ana, padroeira dos carpinteiros, moedeiros, dos bons cavaleiros, das rendeiras e avós.

Ana foi ainda nome de muitas rainhas e princesas que, à sua maneira, também o foram tornando usável e soante ao ouvido do “povo”. Anne Boleyn foi uma das mais conhecidas. Segunda esposa do Rei inglês Henry VIII, Anne foi “a rainha consorte mais influente e importante que a Inglaterra já teve”, reinando de 1533 a 1536 e tendo sido a principal influente na reforma da Igreja em Inglaterra. Mãe da futura rainha Elizabeth I, Anne morreu decapitada sobre as acusações de adultério, incesto e traição.

Telma Oliveira.

Ana é um nome cheio de história, o que acham dele? Demasiado usado, demasiado ouvido ou simplesmente querido?

8 comentários:

  1. Realmente Ana é pequeno mas ao mesmo tempo grandioso, um clássico! Gosto mais de compostos com Ana do que com Maria, acho q ficam mais suaves, fluidos...

    ResponderEliminar
  2. Não gosto, acho-o dos nomes mais secantes de sempre. No entanto, gosto de alguns compostos com Ana. Já Anita, adoro! <3

    ResponderEliminar
  3. Acho muito bonito, mas a popularidade me incomoda.

    ResponderEliminar
  4. Eu acho-o muito sem graça, simplório e parece-me incompleto. Não gosto de Ana, nem da maioria dos nomes terminados em -ana (com excepção de Ariana, Oriana e Caetana) nem gosto de nomes compostos com Ana apesar de ser melhor que Ana como nome simples.

    ResponderEliminar
  5. Eu gosto, não adoro. Acho um clássico simples demais para o meu gosto.

    ResponderEliminar
  6. Amo! Minha grafia preferida é Anna. Também gosto muito de Hannah e de Anita, citados no texto. Gosto de compostos, então acho que uma Anna MINHA não seria apenas Anna.

    ResponderEliminar
  7. Eu gosto de Ana :) Acho simples, clássico, muito terno e intemporal. Num composto é uma escolha muito segura e eu era capaz, inclusive, de o usar. Infelizmente, também sou da opinião de que o uso exacerbado o desgastou um bocado, mas acho-o incontornável.

    ResponderEliminar